Porque não suspendemos a greve! Não a PLC nº 026.6-2011.

Esta é a analise jurídica da proposta de lei complementar (PLC nº 026.6-2011) que o governo pretende passar na Assembleia Legislativa terça dia 12, observem que PLC modifica o valor de vencimento, altera gratificações, absorve e extingue vantagens pecuniárias dos membros do Magistério Público Estadual, ativos e inativos e estabelece outras providências.

GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA,

Faço saber a todos os habitantes deste Estado que a Assembleia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar:

Art.1º  Fica fixado nos termos do Anexo Único desta Lei Complementar, nos respectivos níveis e referências, o valor do vencimento para os cargos de carreira integrantes do Quadro de Pessoal do Magistério Público Estadual com regime de 40 horas semanais.

Parágrafo único.  O vencimento do professor com regime de 30 (trinta), 20 (vinte) e 10 (dez) horas semanais de trabalho, é fixado, respectivamente, em 75% (setenta e cinco por cento), 50% (cinqüenta por cento) e 25% (vinte e cinco por cento), dos valores constantes no Anexo Único desta Lei Complementar.

Art.2º  O percentual referido no art. 6º da Lei Complementar nº 1.139, de 28 de outubro de 1992, passa a corresponder aos seguintes percentuais: atualmente o percentual da aula excedente é de 2,5%/aula. O governo propõe escalonar o pagamento desses valores com percentuais de apenas 1,5% para chegar em 2,5% somente em janeiro de 2012.

I – 1,5% (um virgula cinco por cento), por aula, a partir de 01 de maio de 2011;

II – 1,8% (um virgula oito por cento), por aula, a partir de 01 de agosto de 2011; e

III – 2,5% (dois virgula cinco por cento), por aula, a partir de 01 de janeiro de 2012.

Art.3º  A gratificação de que dispõe o art. 10 da Lei nº 1.139, de 1992, paga aos ocupantes do cargo de Professor que atuam nas séries iniciais do Ensino Fundamental, Educação Infantil e Educação Especial, passa a vigorar com os seguintes percentuais, incidentes sobre o vencimento do cargo efetivo, da seguinte forma: aqui a proposta retira o direito de receber a regência de classe aos professores de educação de jovens e adultos. Além disso, propõe escalonar o pagamento do percentual de 40%, començando com apenas 25% chegando ao valor de 40% somente em janeiro de 2012.

I – 25% (vinte e cinco por cento), a partir de 01 de maio de 2011;

II – 30% (trinta por cento), a partir de 01 de agosto de 2011; e

III – 40% (quarenta por cento), a partir de 01 de janeiro de 2012.

Parágrafo único.  Aplica-se o disposto neste artigo aos ocupantes de cargos do Grupo Magistério, à disposição da Fundação Catarinense de Educação Especial e em exercício nas Escolas Especiais administradas pelas Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais, nas funções de Diretor, Orientador Pedagógico e Secretário. Garante a regência aos profissionais que estão à disposição da FCEE e das APAES, mas somente nas funções de diretor, orientador pedagógico e secretário.

Art.4º  A gratificação de que dispõe o art. 11 da Lei nº 1.139, de 1992, paga aos ocupantes do cargo de Professor que atuam nas séries finais do Ensino Fundamental e do Ensino Médio, passa a vigorar com os seguintes percentuais, incidentes sobre o vencimento do cargo efetivo, da seguinte forma: Propõe escalonar o pagamento do percentual de 25% aos profesores do ensino fundamental e médio (séries finais), començando com apenas 17% chegando ao valor de 25% somente em janeiro de 2012.

I – 17% (dezessete por cento), a partir de 01 de maio de 2011;

II – 20% (vinte por cento), a partir de 01 de agosto de 2011; e

III – 25% (vinte e cinco por cento), a partir de 01 de janeiro de 2012.

Art.5º  A gratificação de que dispõe o art. 12 da Lei nº 1.139, de 1992, paga aos ocupantes do cargo de Especialista em Assuntos Educacionais, Consultor Educacional, Assistente Técnico Pedagógico e Assistente de Educação, passa a vigorar com os seguintes percentuais, incidentes sobre o vencimento do cargo efetivo, da seguinte forma: Propõe escalonar o pagamento do percentual de 25% aos especialistas em assuntos educacionais, consultor educacional, assistente técnico pedagógico e assistente de educação,  començando com apenas 17% chegando ao valor de 25% somente em janeiro de 2012.

I – 15% (quinze por cento), a partir de 01 de maio de 2011;

II – 20% (vinte por cento), a partir de 01 de agosto de 2011; e

III – 25% (vinte e cinco por cento), a partir de 01 de janeiro de 2012.

Art.6º  Aplica-se o disposto no artigo 4º desta Lei Complementar aos membros do Magistério Público Estadual lotados e em exercício no órgão central da Secretaria de Estado da Educação e nas Secretarias de Estado de Desenvolvimento Regional, nos termos da Lei Complementar nº 284, de 28 de fevereiro de 2005. Estende a regência de classe de 25% aos profissionais lotados e em exercício na SED e nas SDRs.

Art.7º  Fica assegurado o disposto nos artigos 3º, 4º e 5º desta Lei Complementar ao membro do Magistério Público Estadual inativo, desde que tenha incorporado nos proventos de aposentadoria o direito à percepção das gratificações referentes ao efetivo exercício das funções do cargo. Assegura a regência de classe aos inativos, desde que, qdo da concessão da aposentadoria tenham incorporado o direito.

Art.8º  O artigo 28 da Lei Complementar nº 1.139, de 1992, passa a vigorar com a seguinte redação:

“Art.28.  É assegurado ao membro do magistério o direito de receber a mais, o equivalente a 80% (oitenta por cento) do valor do vencimento do cargo, por mês de licença-prêmio não gozada e trabalhada, desde que de forma integral, não podendo ultrapassar a um período por ano.” (NR). Reduz de 100% para 80% o valor da licença prêmio trabalhada e não gozada. (venda de licença)

Art.9º  O parágrafo único do art. 161 da Lei Complementar nº 381, de 07 de maio de 2007, passa a vigorar com a seguinte redação:

“Art.161……………………………………………………………………………

Parágrafo único.  As gratificações de que trata este artigo serão calculadas com base no vencimento do nível MAG-08-B, 40 horas, do Grupo Magistério Público Estadual.” (NR) Diminui o nível de progressão funcional para cálculo das funções gratificadas da estrutura da SED, da FCEE e SDRs, de MAG 12 A (R$ 1.998,65) para MAG 8 B (R$ 1.523,26) – diminuiu 5 níveis

Art.10.  A Gratificação prevista no parágrafo 3º, artigo 2º da Lei Complementar nº 304, de 04 de novembro de 2005, com a redação dada pelo artigo 7º da Lei Complementar nº 457, de 11 de agosto de 2009, será calculada com base no vencimento do nível MAG-06-A, 40 horas, do Grupo Magistério Publico Estadual. Diminui o nível de progressão funcional para o cálculo da função gratificada (30%) ao assistente de educação (secretários) do nível MAG 10 A (R$ 1.723,43) para MAG 6 A (R$ 1.275,10) – diminui 4 níveis.

Art.11.  Os percentuais previstos no Anexo XII, da Lei Complementar nº 534, de 20 de abril de 2011, passam a incidir sobre o vencimento do nível MAG-08-B, 40 horas, do Grupo Magistério Público Estadual. O percentual do vencimento das funções gratificadas da estrutura da SED, da FCEE e das SDRs  diminui do Nível  de MAG 12 A (R$ 1.998,65) para MAG 8 B (R$ 1.523,26) – diminui 04 níveis.

Art.12.  O percentual de aumento concedido ao vencimento dos cargos de carreira integrantes do Quadro de Pessoal do Magistério Público Estadual não incidirá sobre a Vantagem Nominalmente Identificável instituída pela Lei Complementar nº 83, de 18 de março de 1993. O aumento não incidirá sobre os valores da vantagem incorporada no exercício da função de confiança.

Parágrafo único. A vantagem referida neste artigo será aumentada, exclusivamente, nas mesmas datas e índices da revisão geral do funcionalismo público estadual, prevista no art. 37, inciso X, da Constituição Federal.

Art.13.  Ficam absorvidas e extintas pelo aumento no valor do vencimento previsto no Anexo Único desta Lei Complementar: Neste artigo, retira o direito aos prêmios educar, jubilar e à vantagem, alegando que estes valores estão absorvidos e inclusos dentro do valor do vencimento. Ocorre que “piso é piso”, qualquer direito deverá ser acrescido além do piso (faz parte da carreira) e não absorvido dentro do valor do salário base (piso).

I – a vantagem denominada Complemento ao Piso Nacional do Magistério – CPNM, prevista no art. 4º da Lei Complementar nº 455, de 11 de agosto de 2009;

II – o Prêmio Educar previsto nos artigos 1º e 2º da Lei nº 14.406, de 09 de abril de 2008;

III – o Prêmio Jubilar previsto nos artigos 1º e 2º da Lei nº14.466, de 23 de julho de 2008.

Art.14.  Ficam revogados: NESTE ARTIGO EXTINGUE O PRÊMIO ASSIDUIDADE E REVOGA DIVERSOS DISPOSITIVOS PARA ADEQUAR O TEXTO LEGISLATIVO EM FUNÇÃO DE CRIAÇÃO DE NOVOS CRITÉRIOS PARA PAGAMENTO DO PISO E DA REGÊNCIA DE CLASSE – JÁ ANALISADOS NOS ARTIGOS ANTERIORES DO PRESENTE PROJETO DE LEI.

I – o artigo 26 da Lei nº 1.139, de 28 de outubro de 1992; revoga o direito ao prêmio assiduidade

II – o artigo 39 da Lei nº 1.139, de 28 de outubro de 1992; revoga o percentual de 03% entre os valores de vencimentos de referências na tabela VI restabelecidos em janeiro de 1993. (reajuste concedido à época)

III – o artigo 6º da Lei nº 9.847, de 15 de maio de 1995; revoga o percentual  de 2,75% entre os valores de vencimentos de referências na tabela VI, restabelecidos em maio de 1995. (reajuste concedido à época)

IV – o art. 7º da Lei nº 9.847, de 15 de maio de 1995; revoga dispositivo que definiu a regência de classe nos percentuais de 40% e 20% sobre o vencimento do cargo efetivo.

V – o art. 2º da Lei nº 9.860, de 21 de junho de 1995; revoga o percentual  de 3% entre os valores de vencimentos de referências na tabela VI, restabelecidos em junho de 1995. (reajuste concedido à época)

VI – a Lei nº 9.888, de 19 de julho de 1995; revoga a lei que fixou novos valores de vencimento ao grupo do magistério previstos anteriormente no anexo VI.

VII – o artigo 2º da Lei Complementar nº 304, de 04 de novembro de 2005; e, revoga dispositivo que redefinia os valores da regência de classe.

VIII – o artigo 28 da Lei Complementar nº 456, de 11 de agosto de 2009. Revoga dispositivo que redefinia critérios do prêmio assiduidade.

Art.15.  Esta Lei Complementar entra em vigor na data de sua publicação, produzindo efeitos a contar de 1º de maio de 2011.

Florianópolis,

JOÃO RAIMUNDO COLOMBO

Governador do Estado

 

 

19 comentários em “Porque não suspendemos a greve! Não a PLC nº 026.6-2011.

  1. …”A GRANA ESTÁ COMEÇANDO A SER DEVOLVIDA???”…………..”AUDITORIA FEDERAL JÁ!!!<<<"CADÊ A VERBA POLPUDA DO FUNDEB???…….FOI PARA APLICAÇÃO FINANCEIRA???????"……
    Com a retirada do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) da base de cálculo, o governo esperava??????? contar com cerca de R$ 350 milhões a mais no caixa a partir do próximo ano.

    A partir da ponderação dos poderes, que afirmaram que já tinham compromissos assumidos, passou-se a buscar um meio termo. Após conversas ???????e projeções, chegou-se a um número – R$ 91 milhões. Este seria o valor que as instituições aceitavam cortar dos seus orçamentos para colaborar com o Estado em 2012.

    A partir deste número, os técnicos começaram a fazer contas para chegar a uma fórmula matemática que basearia o acordo. O acerto prevê a retirada do Fundeb da conta e o aumento dos percentuais para recompor??????? o valor perdido. Sobre este valor, será aplicado um redutor de 2,65%.

    Oficialmente, nem a Secretaria da Fazenda e nem os poderes quiseram divulgar??????? quanto cada um deve receber em 2012. Com base na previsão de receita para o próximo ano, o DC calculou o percentual de cada instituição. Aplicando a fórmula, chega-se a uma economia ???????de R$ 67 milhões.

    Segundo a Fazenda, para atingir os R$ 91 milhões???????,————–" é preciso acrescentar R$ 24 milhões com ganhos de aplicação financeira,"————– que antes entravam na conta e que os poderes teriam aberto mão a partir de 2012……………………………………………………………………………………………. …"O MOVIMENTO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO CATARINENSE CONTINUAAA FIRME E FORTE, BATENDO SEM TRÉGUA NA LINHA DE CINTURA DO (DES)governo da "tripa ali"ança—pmdb, psdb e (pfl/dem/psd*)A CAMUFLAGEM descoberta do senhor joão raimundo*calombo!!! …….É GREEEEEEEEEEEEEEVEEE!!!………….."TEM TAMBÉM UM FURO" DE + DE 250 MILHÕES POR CONTA DO USO DAS VERBAS DO FUNDEB PARA PAGAR OS APOSENTADOS. FATO ESTE, QUE DESRESPEITA A LEI DE CRIAÇÃO DO FUNDEB!!!(AUDITORIA FEDERAL JÁ!!!)……. TCU e RECEITA FEDERAL com a PALAVRA!!!…….tem também o joguinho de LEGO do paulo Bauer, não tem???

  2. …”O PMDB JÁ TEM METRALHADORA ACIONADA CONTRA O GOVERNO: O DEPUTADO FEDERAL MAURO MARIANI, O MAIS VOTADO EM 2010.”…………..”O GOVERNO colombo ESTÁ DESGOVERNADO!” …É GALERA A “tripa ali”ança —pmdb, psdb e (pfl/dem/psd*)A CAMUFLAGEM do senhor joão raimundo*calombo!!!foi “PRO-ESPAÇO,literalmente e figuradaMENTE”!!!……………………………………………”CADÊ A VERBA polpuda DO FUNDEB???>>>AUDITORIA FEDERAL JÁ!!!<<<<<<<O MOVIMENTO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO CATARINENSE CONTINUAAA FIRME E FORTE!!!………………………………………………………………………………É GREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEVEEE!!!

  3. …”PEDIDO DE DESCULPAS!!! AOS COMPANHEIROS DO GRANDE OESTE QUE SE SENTEM OFENDIDOS!!!”………………………….A GREVE DO MAGISTÉRIO PÚBLICO CATARINENSE CONTINUAAA FIRME E FORTE!!!!!!!………………………………………………………………………………… ……………………………Lincon diz:
    10 de julho de 2011

    ALESSANDRA SORAIA E DEMAIS PROFESSORES DO OESTE,

    Eu já morei por muitos anos na região Oeste de Santa Catarina mais precisamente nas cidades de Quilombo e Chapecó, tenho familia ainda nessas cidades, e portanto sei das qualidades, da força de vontade e da garra do povo desta região.

    Atualmente estou morando na região da Grande Florianópolis. E stive na assembleia estadual e não concordo com as ofensas dirigidas aos valorosos professores do Oeste.

    Porém peço que relevem pois estavamos todos em um momento de tensão, estavamos decidindo o futuro do nosso movimento e consequentemente, o futuro da educação de Santa Catarina.

    E em nome de todos os professores que dirigiram ofensas aos trabalhadores do Oeste, eu peço DESCULPAS, pois o que está em jogo, é nossa vida profissional, é o nosso plano de carreira, é a educação catarinense. E em virtude disso precisamos estar unidos pois nossa guerra é contra o governo e não contra nós mesmos.

    Dessa forma, peço sigelamente, que todos os professores, sejam da região que for, Litoral, Oeste, Sul, Norte, Serra que retornem a greve para que em fim, possamos conquistar o nosso piso, conquitar 1/3 da hora atividade, conquistar concurso público, sem perda de direitos. E talvés o mais importante, possamos conquistar a dignidade…………………………………………….
    …AUDITORIA FEDERAL JÁ!!!<<>>>>>>É GREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEVEEE!!!

  4. …9 de julho de 2011

    “Môa, por favor: divulgue! Jurídico confirma: PLC é golpe!

    O setor jurídico do Sinte atendeu aos pedidos (eu mesma fiz inúmeros) de esclarecimentos a respeito das consequências da aprovação do Projeto de Lei Complementar que foi apresentado pelo governo na ALESC. A avaliação constata o que eu já previa: o PLC nº 026/2011 suprime recursos da educação e acaba de vez com o plano de carreira vigente, uma vez que “pretende elaborar um novo Plano de Carreira do Magistério, porquanto suprime direitos que integram a remuneração e institui uma nova diferença percentual entre os níveis e referências na tabela salarial. (…) a idéia expressa no PLC 026/2011, de estabelecer valores iguais para níveis e referências distintas desfigura todo o sentido jurídico da carreira que pressupõe estágios evolutivos da remuneração que levam em conta o progresso funcional pelo tempo de serviço e o aperfeiçoamento profissional, na forma dos art. 15 e seguintes da Lei nº 1.139/92.”
    O texto completo está em: http://sinte-sc.blogspot.com/2011/07/parecer-sobre-o-projeto-de-lei.html. É bem extenso, mas em resumo, o PLC:
    – Enterra de vez o plano de carreira;
    – Recompõe a integralidade dos percentuais de regência e aula-excedente vigentes somente em janeiro (quando os ACTs já não estarão em condições de recebê-lo);
    – Reduz o valor de venda das licenças-prêmio (me perdoem se grafei de forma incorreta);
    – Reduz o valor das funções gratificadas (direção, assessor de direção, profissionais da FCEE, GERED, dentre outros).
    – Revoga diversos artigos de leis (ainda faltam alguns esclarecimentos).

    NÃO PODEMOS COMPACTUAR COM ISSO! É GOLPE! É UM ABSURDO! A base aliada na Alesc está nos colocando entre a cruz e a espada, pois alega que, se não aprovar a lei complementar, não terá embasamento legal para dar o “aumento”, e o salário pago será com base nos valores de março. Ora, e o salário de junho foi pago com base em quê?
    E os absurdos não param por aí… agora o governo ameaça de contratar ACTs para substituir os grevistas, contrariando novamente a lei da greve que no art 7ª expressa: “Parágrafo único. É vedada a rescisão de contrato de trabalho durante a greve, bem como a contratação de trabalhadores substitutos.”
    Por essas e por outras, nossa luta precisa continuar!
    E o governo verá esta greve renascer das cinzas… Denise Scheid.”……..É GREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEVEEE!!!…….AUDITORIA FEDERAL JÁ!!!……………………….”CADÊ A GRANA FEDERAL DO FUNDEB???……………………….INTERVENÇÃO FEDERAL/IMPEDIMENTO JÁ!!!

  5. …9 de julho de 2011

    “Môa, por favor: divulgue! Jurídico confirma: PLC é golpe!

    O setor jurídico do Sinte atendeu aos pedidos (eu mesma fiz inúmeros) de esclarecimentos a respeito das consequências da aprovação do Projeto de Lei Complementar que foi apresentado pelo governo na ALESC. A avaliação constata o que eu já previa: o PLC nº 026/2011 suprime recursos da educação e acaba de vez com o plano de carreira vigente, uma vez que “pretende elaborar um novo Plano de Carreira do Magistério, porquanto suprime direitos que integram a remuneração e institui uma nova diferença percentual entre os níveis e referências na tabela salarial. (…) a idéia expressa no PLC 026/2011, de estabelecer valores iguais para níveis e referências distintas desfigura todo o sentido jurídico da carreira que pressupõe estágios evolutivos da remuneração que levam em conta o progresso funcional pelo tempo de serviço e o aperfeiçoamento profissional, na forma dos art. 15 e seguintes da Lei nº 1.139/92.”
    O texto completo está em: http://sinte-sc.blogspot.com/2011/07/parecer-sobre-o-projeto-de-lei.html. É bem extenso, mas em resumo, o PLC:
    – Enterra de vez o plano de carreira;
    – Recompõe a integralidade dos percentuais de regência e aula-excedente vigentes somente em janeiro (quando os ACTs já não estarão em condições de recebê-lo);
    – Reduz o valor de venda das licenças-prêmio (me perdoem se grafei de forma incorreta);
    – Reduz o valor das funções gratificadas (direção, assessor de direção, profissionais da FCEE, GERED, dentre outros).
    – Revoga diversos artigos de leis (ainda faltam alguns esclarecimentos).

    NÃO PODEMOS COMPACTUAR COM ISSO! É GOLPE! É UM ABSURDO! A base aliada na Alesc está nos colocando entre a cruz e a espada, pois alega que, se não aprovar a lei complementar, não terá embasamento legal para dar o “aumento”, e o salário pago será com base nos valores de março. Ora, e o salário de junho foi pago com base em quê?
    E os absurdos não param por aí… agora o governo ameaça de contratar ACTs para substituir os grevistas, contrariando novamente a lei da greve que no art 7ª expressa: “Parágrafo único. É vedada a rescisão de contrato de trabalho durante a greve, bem como a contratação de trabalhadores substitutos.”
    Por essas e por outras, nossa luta precisa continuar!
    E o governo verá esta greve renascer das cinzas… Denise Scheid.”……..É GREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEVEEE!!!…….AUDITORIA FEDERAL JÁ!!!……………………….”CADÊ A GRANA FEDERAL DO FUNDEB???……………………….INTERVENÇÃO FEDERAL/IMPEDIMENTO JÁ!!!

  6. …”GRANA DO POVO CATARINENSE ESTÁ SENDO GASTA COM A CORJA!!!”………………………………………………………………………………………. …………………………………… 10de julho de 2011 | N° 9226…DC…….
    …………..EM CAUSA PRÓPRIA…………..
    De (e para) a Procuradoria
    Na Assembleia Legislativa, uma sutileza no nome do cargo garantiu a “mágica” de manter privilégios

    O pagamento de supersalários acima do teto e a aprovação de aposentadorias por invalidez suspeitas na Assembleia têm em comum um mesmo carimbo: o aval da Procuradoria da casa.

    O órgão é formado por 15 “consultores especiais”, encarregados de municiar o Legislativo de argumentos jurídicos. E que, curiosamente, acabam beneficiando a própria Procuradoria. Existem 15 procuradores aposentados pela Assembleia. Todos eles integravam a lista de 63 servidores ativos e inativos que recebiam mais do que o teto do Legislativo, os R$ 20.040 que ganham os deputados. Além do alto salário, 10 deles foram beneficiados por isenção de Imposto de Renda. Quatro são aposentados por invalidez permanente.

    Em 2007, o Tribunal de Justiça (TJSC) julgou uma ação do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) que pedia a exoneração dos 15 procuradores. Entre os motivos, falta de concurso público e a chamada transposição de cargo – consultores legislativos assumiam quando um procurador se aposentava.

    A escolha imitava a forma como o TJ escolhe desembargadores: metade por antiguidade no cargo, metade pelo critério subjetivo do merecimento. Com a diferença básica de que os juízes são concursados e os consultores, não. A maioria entrou na AL antes de 1988, quando a Constituição tornou obrigatória a seleção.

    A Assembleia recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para reverter a decisão do TJ e maquiou seu organograma. Em 2009, um projeto de resolução transformou os procuradores em “consultores especiais” e a forma de escolha continuou a mesma. Para isso, criou-se uma gratificação que corresponde a 40% do salário de desembargador. Um consultor especial pode receber o mesmo o salário de um desembargador – R$ 24,1 mil. Na lista de supersalários, 11 consultores especiais jurídicos estão presentes.

    – Tem o modelo de uma quadrilha aqui dentro – afirma o deputado Dirceu Dresch (PT).

    O petista alega que são ilegais as resoluções da mesa diretora que regulamentam o acesso à Procuradoria e as decisões tomadas por ela no episódio dos supersalários. Ele se junta a Jailson Lima (PT), responsável pela elaboração das listas de supersalários e de aposentados por invalidez.

    O presidente Gelson Merisio (DEM/PSD) determinou que ninguém mais receberia salários acima do teto e enviou os 210 processos de aposentadoria por invalidez para o Instituto de Previdência de Santa Catarina (Iprev), que está convocando todos para perícias médicas. Merisio evita críticas à Procuradoria, mas admite que tomou as decisões após consultar advogados independentes.
    …AUDITORIA FEDERAL JÁ!!!<<>>>É GREVEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEVEEE!!!

  7. …”JOANINHA , GUERREIRA DO MAGISTÉRIO PÚBLICO CATARINENSE, LÍDER DESDE SEMPRE!!!”……………………………………………………………………………. ………………………………..Janete Alda de Miranda diz:
    10 de julho de 2011

    Minha “ídala” Joaninha,

    Chorei ao ler as suas considerações neste blog. Enfim, levantou-se uma liderança (incontestável) que ousou dizer ao povo catarinense o real culpado pela continuidade da greve, ao mesmo tempo que rebate inteligentemente as falas maldosas contrárias ao PSTU (que quer queiram ou não, está do lado da categoria desde o início da greve). Tanto que desafio a categoria a apontar o nome de um militante do PSTU que não tenha acatado a deliberação das assembleias estaduais.
    Portanto, mesmo divergindo (nas estratégias) em vários momentos, você (Joana) sabe da minha admiração e do meu respeito (pelo menos posso afirmar por mim). Então, nobre companheira, faço minha as suas palavras, porque sei que escreves não com a inteligência, mas com o coração. O que torna verdadeiro o que dizes. Aliás, quem te conhece na intimidade sabe de tua transparência e maturidade, além da sabedoria que granjeasses durante esses anos de militância.
    Enfim, caros leitores, mesmo tendo feito duras críticas ao comando estadual e à comissão de negociação, eu sempre soube que Joaninha de Oliveira está acima de qualquer suspeita, pois, em que pese que ela possa vir a errar em suas avaliações a respeito do movimento, esta jamais trairia a categoria. Sendo esta, portanto, uma das poucas razões que ainda me faz seguir acreditando na luta da classe trabalhadora por igualdade e justiça entre os homens.

    Um forte abraço companheira, e saiba: você é luz em meio à escuridão dessa greve.

    Profª. Janete Miranda
    Regional de São José
    …AUDITORIA FEDERAL JÁ!!!<<>>>É GREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEVEEE!!!

  8. …AUDITORIA FEDERAL JÁ!!!………………”MESTRA JOANINHA, MUITO OBRIGADO PELAS LÚCIDAS PALAVRAS!!!”…………………………………………Joaninha contesta Colombo

    10 de julho de 2011

    “Prezado Môa,

    Fiquei bastante surpresa ao saber que o governador disse que o problema da greve era o PSTU e que era uma greve política, de anarquistas e etc.

    Gostaria de reafirmar que o PSTU apóia sim, incondicionalmente, a greve dos trabalhadores em educação assim como as demais lutas do estado e do País.

    Já falei a imprensa: Quem não tem defesa, agride. Esse é o caso.

    O nosso sindicato trabalha com o critério da democracia, A ASSEMBLÉIA ESTADUAL É O FÓRUM LEGITIMO PARA SE POSICIONAR, A CONTINUIDADE FOI VOTADA POR GRANDE MAIORIA. Quem estava lá viu que o grau de indignação era profundo, mas eu pergunto:

    “Como ficar quieto se o dinheiro do FUNDEB está desviado? Como ficar feliz se entramos na greve com direitos, como as gratificações e sair delas para esperar a recomposição em janeiro onde já não temos mais os ACTs? Como se explica entrar numa greve com um plano de carreira e sair dela sem plano de carreira? EU ESTAVA NAS MESAS DE NEGOCIAÇÕES, DIVERSAS VEZES COLOCAMOS AO GOVERNADOR: “Parcele, fique a vontade para apresentar o numero de parcelas”.

    RESPOSTA DO GOVERNO: NÃO!

    Destaco também: O secretario de educação falou muito pouco nas audiências. Agora se reúnem para determinarem um calendário de reposição, irresponsavelmente, e ele é o porta-voz, grande participação. Então, leitores, quem é o grande responsável pela continuidade da greve?

    Respondo: O governo, somente ele. Joaninha de Oliveira, presidente do Pstu.

    …A GREVE DO MAGISTÉRIO PÚBLICO CATARINENSE CONTINUAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!…….É GREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEVEEE!!!

  9. …Janete Alda de Miranda diz:
    10 de julho de 2011

    Prezado Aloisio,

    Seu conselho (de entrarmos na justiça) é patético! Se você é de luta, então você precisa rever seus conceitos, pois a sua postura está mais para assessoria de imprensa do governo do que qualquer outra coisa.
    Se você queria sair da greve sem culpas, fique tranquilo. Nós entendemos que nem todo mundo pensa igual; pois sabemos que existem os que defendem a dignidade do professor, mas também que existemos de alma encarcerada.
    Neste momento,guarde suas ” sábias” palavras, pois ela soam aos nossos ouvidos como provocação e ironia.
    Enfim, acreditamos que os nobres companheiros de Videira, guerreiros como são, façam o contrário do que você recomenda, visto que só a luta muda a vida, principalmente em tempos de justiça cega, surda e muda.

    Já dizia o profeta: ” O medo é carcereiro da liberdade!”

    Venham para a luta, precisamos de vocês!

    Abraço aos companheiros de Videira,

    Profª Janete
    Regional de São José
    twitter: @sintesaojose………………………………………………………………………..
    …AUDITORIA FEDERAL JÁ!!!…É FUNDEB DESVIADO!…É LEGO E DICIONÁRIO SUPERFATURADO!…É ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA ENGANA-APOSENTADO, ATOLADA DE PROCURADÔ SAFADO!…GREEEEEEEEEEEEEEEEEEVEEE!!!……………….É GREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEVEE!!!

  10. “…CADÊ A VERBA FEDERAL DO FUNDEB???…………..O MOVIMENTO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO CATARINENSE CONTINUAAA FIRME E FORTE, BATENDO SEM TRÉGUA NA LINHA DE CINTURA DO (DES)governo da “tripa ali” ança—pmdb, psdb e (pfl/dem/psd*)A CAMUFLAGEM descoberta do senhor joão raimundo*calombo!!!………………………………
    ………………………………………………………….AUDITORIA FEDERAL JÁ!!!…É FUNDEB DESVIADO!…É LEGO E DICIONÁRIO SUPERFATURADO!…É ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA ENGANA-APOSENTADO,… ATOLADA DE PROCURADÔ SAFADO!…GREEEEEEEEEEEEEEEEEEVEEE!!!……………….É GREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEVEE!!!!!!!”

  11. …AUDITORIA FEDERAL JÁ!!!………………………………………………………………A GREVE DO MAGISTÉRIO PÚBLICO CATARINENSE CONTINUAAA!!! …Com a maior votação proporcional da história política de Santa Catarina, o deputado federal Mauro Mariani (PMDB) rompeu formalmente com o (DES)governnadô Raimundo Colombo, abrindo dissidência. Em entrevista para O Jornal, de São Bento do Sul, chutou o pau da barraca (OU SERIA O Tbaldi), sem “papas na língua” afirmou.

    Este governo está desgovernado. Nada se decide, nada se resolve. Falaram em economizar + de R$ 1 bilhão, mas fazer isso deixando de pagar as contas é fácil, disparou Mariani, que sustentou o desembarque do PMDB,” desconectando-se” do Executivo. “Em poucos dias vamos ter que pedir desculpas a população catarinense!” …”CADÊ A VERBA FEDERAL DO FUNDEB???>>>AUDITORIA JÁ!!!<<<<É GREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEVEEE!!!

  12. …”CADÊ A GRANA DO FUNDEB!!!…….AUDITORIA FEDERAL JÁ!!!”… …………..luiz souza diz:
    11 de julho de 2011

    A ESCOLINHA DO GOVERNADOR RAIMUNDO
    QUEM FAZ GREVE CONTRA A CORRUPÇÃO
    TEM A REMUNERAÇÃO CORTADA
    DA JUSTIÇA NÃO SE CUMPRE DETERMINAÇÃO
    E A CARREIRA DOS PROFESSORES NÃO É RESPEITADA

    NA ESCOLINHA DO GOVERNADOR RAIMUNDO
    SE USA MAL O DINHEIRO DA EDUCAÇÃO
    E A MERENDA É TERCEIRIZADA
    SE COMPRA LEGOS SEM LICITAÇÃO
    E A REGÊNCIA DOS PROFESSORES É PARCELADA

    A ESCOLINHA DO GOVERNADOR RAIMUNDO
    … SE NÃO FOSSE TRISTE, SERIA PIADA.
    …”A GREVE DO MAGISTÉRIO PÚBLICO CATARINENSE CONTINUAAA FIRME E FORTE, BATENDO SEM TRÉGUA NA LINHA DE CINTURA DO (DES)governo da “tripa ali” ança—pmdb, psdb e (pfl/dem/psd*)A CAMUFLAGEM descoberta do senhor joão raimundo *calombo!!!……………………..É GREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEVEEE!!!”

  13. …AUDITORIA FEDERAL JÁ!!!…………..”CADÊ A VERBA DO FUNDEB???… ……………………………………………………………………Karla diz:
    10 de julho de 2011

    “Quando você entra em uma situação tensa, e tudo vem contra você até parecer que você não conseguiria aguentar nem mais um minuto sequer, não desista, pois esta é justamente a situação e o momento em que a maré irá virar.”
    ( Harriet Beecher Stowe )

    “Há uma força motriz mais poderosa que o vapor, a eletricidade e a energia atômica: a vontade.”
    ( Albert Einstein )

    “Nós devemos banir das nossas fileiras toda a ideologia feita de fraqueza e impotência. São errados todos os pontos de vista que valorizam a força do inimigo e subestimam a força do povo. ”
    ( Mao Tse-Tung )

    “Ando devagar, mas nunca ando para trás.”
    ( Abraham Lincoln )

    “Toda força será fraca, se não estiver unida.”
    ( Jean de La Fontaine )

    IARA CONTINUEMOS UNIDOS, A HORA É AGORA!!!!
    …É GREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEVEEE!!!

  14. …AUDITORIA FEDERAL JÁ!!!……………………………………………CADE A VERBA DO FUNDEB???………………………………………………………………….. ………………………….JORNALISTA ELAINE TAVARES DIZ:…”Eu sou um animal político. A política me encanta por sua capacidade de ser espaço ativo da vida mesma. Mas, aqueles há que apequenam a política, essa beleza criada pelos seres humanos. Pessoas há que em tempos de eleição, em vez de fazer a disputa limpa, apresentando propostas, preferem agir na lógica da pequena política. Isso seria de desanimar, mas não dou a essa gente o direito.

    Em Santa Catarina o Sindicato dos Jornalistas está em processo eleitoral e alguns colegas, na contramão da boa política, já se prestam a práticas condenáveis, como o uso da mentira e da desinformação. Segue uma nota feita pelo Sindicato dos Jornalistas que, do nada, foi envolvido na greve dos professores estaduais. Um coisa tão estapafúrdia que seria risível se não fosse a velha prática da pequena política que vista desacreditar o outro em vez de disputar de forma limpa e honesta.

    Diz o jornalistas Carlos Damião, na sua coluna diária no Notícias do Dia, falando da greve dos professores: “Em geral, os movimentos sindicais de servidores públicos são controlados por três partidos principais: o PT, o PCdoB e o PDT. Minoritariamente, participam também o PSTU e o PSol. De certa maneira, a maior parte dos sindicatos – inclusive o dos jornalistas – está transformada em aparelhos partidários. E faz tempo”.

    Ora, para um jornalista “político”, achar problemático que as forças partidárias estejam atuando nos sindicatos é no mínimo uma tolice. A vida toda está permeada pela ação dos partidos e das posições políticas de grupos. Isso é o óbvio ululante, é parte constitutiva da política. Agora, daí a dizer que são aparelhos é um pouco demais. Engraçado que sobre as entidades que são hegemonizadas pela maçonaria, pelo DEM, ou o PP, as pessoas não falam que são “aparelhos”. É a velha lógica do “dois pesos, duas medidas”. E colocar o Sindicato dos Jornalistas nessa história cheira mal. Leia a nota do SJSC sobre a questão:

    Nota em defesa de um sindicato que é ‘aparelho’ de luta dos trabalhadores

    Na sua coluna no jornal Notícias do Dia – Florianópolis deste 8 de julho, o jornalista Carlos Damião emite opinião sobre o movimento grevista dos professores da rede estadual e destaca no seu texto que o motivo da continuidade da greve é a partidarização da direção dos sindicatos de servidores públicos e de outras categorias, e cita explicitamente o Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina. Em defesa da verdade, os jornalistas diretores da entidade convidam o colega para comparecer ao Sindicato para dialogar, conhecer melhor e compreender como funciona a organização sindical e o motivo da sua existência, assim como as lutas diárias em defesa dos direitos dos trabalhadores, tema tão ausente na maioria dos meios de comunicação. Ao colunista, a liberdade de dizer e manifestar a sua opinião é líquida e certa, porém o Sindicato dos Jornalistas não pode deixar passar o momento sem afirmar, publicamente, que o comentário não só distorce a realidade como provoca, no conjunto dos leitores, uma interpretação equivocada do que seja a verdade. O Sindicato dos jornalistas é, sim, ‘aparelho’, mas ‘aparelho’ de luta dos trabalhadores em defesa dos seus direitos!”
    Postado por elaine tavares às 14:03 ………………………………………………….A GREVE DO MAGISTÉRIO PÚBLICO CATARINENSE CONTINUAAA FIRME E FORTE, BATENDO SEM TRÉGUA NA LINHA DE CINTURA DO (DES)governo da “tripa ali” ança—pmdb, psdb e (pfl/dem/psd*)A CAMUFLAGEM descoberta do senhor joão raimundo*calombo!!!…….É GREEEEEEEEEEEEEEEEEVEEE!!!

  15. … Adriana diz:
    11 de julho de 2011

    O PLC tem que ser rejeitado, ele não coloca o piso no plano de carreira,muito pelo contrário ,destroi a carreira do magistério.
    Vamos todos juntos para a ALESC impedir este absurdo!
    GREVE!!!!!!!!!!!!!!!!

  16. # João Goulart Gonçalves diz:
    11 de julho de 2011 às 9:33 am

    Moacir,
    Estou enlouquecendo ou o senhor Raimundo Colombo, disse em NA TV – RBS, que mandássemos nossos filhos pra escola normalmente hoje (11/07), que haveria aula??? Que ele contrataria novos professores e que nenhum aluno ficaria sem aula??? Mas hoje,meu filho acordou todo feliz, cedo, nesse frio. Levei ele até a escola. Na chegada já vi tumulto. Muitos pais e crianças indignadas com a falta de consideração do Governador. O que fiquei sabendo: A greve continua por tempo indeterminado. Questionamos a diretora da escola e ela disse que não tem professores. Que estão em greve. E que não tem data para terminar. Que a greve continua eu já sabia, mas ele falou que iria contratar novos professores,já perdendo a qualidade do ensino, pois sabemos que professores habilitados, em várias áreas, está em extinção. Ele não passa mesmo de um enrolão. Não cumpre a lei, vai cumprir a palavra!!! Quero deixar aqui minha indignação com as atitudes desse governo.

  17. … Karla diz:
    11 de julho de 2011

    Quem deveria atuar com todo rigor era a justiça em cima do sr. governador.
    Estava louco que fizéssemos anarquia né? Mas se danou!!!
    A população está vendo, não é “cega”, que os professores estão exigindo seus direitos da forma mais pacífica.
    Quem já deveria ter perdido a calma deveria ter sido os professores, com tanta mentira e impunidade!!!
    E aonde vão arrumar dinheiro para contratar professores se já chegaram ao limite financeiro?

    É, “não há mais espaços para negociações”, estão mais preocupados coma as eleições do ano que vem.
    E tem que se preocupar mesmo.

    Nós professores trabalharemos contra os inimigos da educação com faixas, cartazes, adesivos, camisetas e muito mais.
    Quem viver verá!!!!!!
    …AUDITORIA FEDERAL JÁ!!!>>>>>>>>>>>>>CADÊ A GRANA DO FUNDEB???<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<É GREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEVEE!!!

  18. …AUDITORIA FEDERAL JÁ!!!>>>>>>>GRANA DO FUNDEB???<<<<<< …………..Ana Carolina diz:
    11 de julho de 2011

    …é bom o Executivo e o Legislativo lembrarem, que o dono do VOTO não está todo dia na Assembléia Legislativa e nem no Palácio do Governo, mas está todo dia na ESCOLA…
    …É GREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEVEEE!!!

  19. …PARABÉNS JORNALISTA “ILUMINADA”!…………..”Elaine Tavares”……………………………………quinta-feira, 14 de julho de 2011
    “Avante professores, de pé!

    A cena apareceu, épica. Uma mulher, já de certa idade, rosto vincado, roupas simples, acocorada num cando da Assembléia Legislativa de Santa Catarina. Chorava. As lágrimas correndo soltas pela cara vermelha e inchada. Num átimo, a câmera captou seu olhar. Era de uma tristeza profunda, infinita, um desespero, uma desesperança, um vazio. Ali, na casa do povo, a professora compreendia que o que menos vale é a vontade das gentes. Acabava de passar no legislativo estadual o projeto do governador Raimundo Colombo, que vai contra todas as propostas defendidas pelos trabalhadores ao longo de dois meses de uma greve fortíssima. Um ato de força. A deputada Angela Albino chorava junto com os professores, os demais sete deputados que votaram contra – a favor dos trabalhadores – estavam consternados e, até certo ponto envergonhados por seus colegas. Mas, esses, os demais, os 28 que votaram com o governo, não se escondiam. Sob os holofotes das câmeras davam entrevistas, caras lavadas, dizendo que haviam feito o que era certo. Puro cinismo.

    Na verdade o que aconteceu na Assembléia Legislativa foi o que sempre acontece quando a truculência do poder se faz soberana. Atropelando todos os ritos da democracia, o projeto do governador sequer passou por comissões, foi direto à plenário. Foi um massacre. Porque é assim que é o legislativo nos países capitalistas, ditos “países livres e democráticos“. Os que lá estão não representam o povo, representam interesses de pequenos grupos, muito poderosos. São eleitos com o dinheiro destes grupos. Aquela multidão que esperava ali fora – mais de TRÊS mil professores – não era nada para os 28 deputados bem vestidos que ganham mais de 20 mil por mês. Valor bem acima do que o piso que os professores tantos lutam para ter, 1.800 reais. E estes senhores tampouco estão se lixando para os professores estaduais porque certamente educam seus filhos em escolas particulares. Vitória, bradavam.

    Mas os nobres parlamentares não ficaram contentes com isso. Ao verem os professores querendo se expressar, mandaram chamar a polícia de choque(BOPE). E lá vieram os homens de preto com suas máscaras de gás, escudos e armas. Carga pesada para confrontar aqueles que educam seus filhos. Triste cena de trabalhador contra trabalhador, enquanto os representantes da elite se refestelavam no ar condicionado. Por isso o olhar de desepero da professora, lá no canto, acocorada, quase perdida de si mesma.

    Ao vê-la assim, tão fragilizada na dor, assomou de imediato em mim a lembrança da primeira professora, a mulher que mudou a minha vida. Foi ela quem me levou para a escola e abriu diante de mim o maravilhoso mundo do saber. Seu nome era Maria Helena. Naqueles dias de um longínquo 1965, ela era uma garota linda que morava do lado da nossa casa em São Borja (RS). Normalista das boas, ela não ensinava nas escolas privadas da cidade. Seu projeto de vida se constituiu ensinando nas escolas da periferia, com as crianças mais empobrecidas.

    Por morar ao lado da minha casa ela percebeu que eu, aos cinco anos de idade, já sabia ler e escrever. Então, insistiu com minha mãe para que eu fosse para a escola, porque ela acreditava firmemente que ali, naquele ambiente, era onde se formavam as cabeças pensantes, onde se descortinava o mundo. Imagino que ela fosse até meio freiriana (adepta de Paulo Freire), por conta do seu modo de ensinar. Minha mãe relutou um pouco. A escola ficava longe, no bairro do Passo, e eu era tão pequena. Mas Maria Helena insistiu e venceu a batalha.

    Assim, todas as tardes, mesmo nos mais aterradores dias do inverno gaucho eu saia de casa, de mãos dadas com a minha professora Maria Helena e íamos pegar o ônibus para o Passo. Numa cidade pequena como São Borja, só os bem pobres andavam de ônibus e assim também já fui tomando contato com o povo trabalhador que ia fazer sua lida no bairro de maior efervescência na cidade. O Passo era onde estava a beira do rio Uruguai, onde ficava a balsa para a travessia para a Argentina, os armazéns que vendiam toda a sorte de produtos, as prostitutas, os mendigos, os pescadores, os garotos sem famílias, as lavadeiras, enfim, uma multidão, entre trabalhadores e desvalidos. O Passo era um universo popular.

    Maria Helena não me ensinou só a escrever, ela me ensinou a ler o mundo, observando a realidade empobrecida do bairro, a luta cotidiana dos trabalhadores, as dificuldades do povo mais simples. E mais, mostrou que ser professora era coisa muito maior do que estar ali a traçar letrinhas. Era compromisso, dedicação, fortaleza, luta. Conhecia cada aluno pelo nome e se algum faltava ela ia até sua casa saber o que acontecia. Sabia dos seus sonhos, dos seus medos e nunca faltava um sorriso, um afago, o aperto forte de mão. Com essa mulher aprendi tanto sobre a vida, sobre as contradições de um sistema que massacra alguns para que poucos tenham riquezas. E aqueles caminhos de ônibus até o Passo me fizeram a mulher que sou.

    É esse direito que eu queria que cada criança pudesse ter: a possibilidade de passar por uma professora ou um professor que seja mais do que um “funcionário“, mas uma criatura comprometida, guerreira, capaz de ensinar muito mais do que o be-a-bá. Um criatura bem paga, respeitada, amada e fundamental.

    Mas os tempos mudaram, os professores são mal pagos, desrespeitados, vilipendiados, impedidos de conhecer seus alunos, obrigados a atuar em duas ou três escolas para manterem suas próprias famílias. Não podem comprar livros, nem ir ao cinema ou ao teatro. São peças do sistema que oprime e espreme.

    Os professores de 2011, em Santa Catarina, são acossados pela tropa de choque(BOPE), porque simplesmente querem o direito de ver respeitada a lei. O governador que não a cumpre descansa no palácio, protegido. Mas aqueles homens e mulheres valentes, que decidiram lutar pelo que lhes é direito, enfrentaram os escudos da PM, o descaso, a covardia, a insensatez. E ao fazê-lo, estabelecem uma nova pedagogia (paidós = criança, agogé =condução).

    Não sei o que vai ser. Se a greve acaba ou se continua. Na verdade, não importa. O que vale é que esses professores já ensinaram um linda lição. Que um valente não se achica, não se entrega, não se acovarda. Que quando a luta é justa, vale ser travada. Que se paga o preço pelo que é direito.

    Tenho certeza que, aconteça o que acontecer, quando esses professores voltarem à sala de aula, chegarão de cabeça erguida e alma em paz. Porque fizeram o que precisava ser feito. Terão cada um deles essa firmeza, tal qual a minha primeira professora, a Maria Helena, que mesmo nos mais duros anos da ditadura militar, seguiu fazendo o que acreditava, contra todos os riscos. Oferecendo, na possibilidade do saber, um mundo grandioso para o futuro dos seus pequenos. Não é coisa fácil, mas esses, de hoje, encontrarão o caminho.

    Parabéns, professores catarinenses. Vocês são gigantes!”
    Postado por elaine tavares às 16:17 ………………………………………………….. …….É GREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEVEEE!!!…….O MOVIMENTO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO CATARINENSE CONTINUAAA FIRME E FORTE!!!…………..CADÊ A GRANA FEDERAL DO FUNDEB???…AUDITORIA FEDERAL JÁ!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *