Agenda

Dia 14 de julho (Quinta)

– 14h: Reunião do comando regional de Florianópolis. Local: Acampamento em frente a Assembleia Legislativa de Santa Catarina – ALESC.


Dia 15 de julho (Sexta)

-14h: Assembleia regional unificada de Florianopolis e São José. Local: A ser definido. TODOS DEVEM COMPARECER NA ASSEMBLEIA NESSE MOMENTO IMPORTANTE DA LUTA.

Para que consigamos manter nossa greve forte e construir um calendário sólido de lutas é importante a presença do maior número possível de pessoas nas reuniões dos comandos de greve de São José e Florianópolis. Estão todos convidados a participar!

9 comentários em “Agenda

  1. …AUDITORIA FEDERAL JÁ!!!<<<CADÊ A VERBA FEDERAL DO FUNDEB???
    Moçada, Vejam O Que Descobrimos! O Procurador do Estado Nelson Antonio Serpa, está na lista das aposentadorias milionárias da ALESC.
    Adivinha qual o salário de sua pensão? Igualzinho ao nosso……rssss…..
    Tão preparados? Aí vai! R$ 22.728,84……….
    E depois vai querer entrar com ação contra a decisão que deu ganho de causa aos professores??????
    Vamos espalhar a notícia….para seus contatos …GALERA AÇÃO!!!
    …O MOVIMENTO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO CATARINENSE CONTINUAAA FIRME E FORTE, BATENDO SEM TRÉGUA NA LINHA DE CINTURA DO (DES)governo da"tripa ali" ança(JÁ SANGRANDO POR TODA STA.CATARINA)—pmdb, psdb e (pfl/dem/psd*)A CAMUFLAGEM descoberta do senhor joão raimundo*calombo!…….É GREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEVEEE!!!

  2. …….”UBUNTU”…….Rute Albuquerque

    Plano de Luta Continuada

    Queridos e queridas, como disse VAN GOGH:
    “Quero expressar a esperança por meio de alguma estrela.”

    Os abraços que fui recebendo, ontem, no 13 do Golpe, me fortaleceram. Obrigada a cada um que tomou em suas mãos e em seus braços a condução desta GREVE.
    E nossos braços serviram, inclusive, para nos posicionar diante do BOPE!
    Meu dedinho está roxo, e quero que fique mesmo a marca nele, para não correr o risco de um dia esquecer desta nossa luta, nestas condições.
    Sabíamos que não seria fácil. Em reinos onde imperam mandões (mesmo se for só um reizinho de m…), o povo tem só a sua voz como seu escudo e sua arma.
    E nós ainda temos a nossa!
    Vamos construir agora, dentro da Greve, nosso próprio PLC.
    Plano de Luta Continuada.
    abraços malungos
    Rute Albuquerque……………………………………………………………… …AUDITORIA FEDERAL JÁ!!!<<<CADÊ A VERBA polpuda DO FUNDEB???…………………………….É GREEEEEEEEEEEEEEEEEVEEE!!!

  3. …AUDITORIA FEDERAL JÁ!!!<<<CADÊ A GRANA FEDERAL DO FUNDEB???…….(DES)governo DA MENTIRA; A "TRIPA ALI"ança—pmdb, psdb e (pfl/dem/psd*) é a própria VERGONHA EM TERRAS CATARINENSES = MAR DE LAMA."IMPEDIMENTO POLÍTICO JÁ!!!………..FORA CAMBADA DE SAFADOS!!!…………………………………………………………………..Bom mesmo é ir a luta com determinação, abraçar
    a vida com paixão, perder
    com classe e vencer com ousadia,
    pois o triunfo pertence a quem se atreve…
    A vida é muita para ser
    insignificante. CHARLIE CHAPLIN

    A covardia coloca a questão: 'É seguro?'
    O comodismo coloca a questão: 'É popular?'
    A etiqueta coloca a questão: 'é elegante?'
    Mas a consciência coloca a questão, 'É correto?'
    E chega uma altura em que temos de tomar uma posição que não é segura, não é elegante, não é popular, mas o temos de fazer porque a nossa consciência nos diz que é essa a atitude correta. William Shakespeare

    É melhor tentar e falhar, que preocupar-se e ver a vida passar.
    É melhor tentar, ainda que em vão que sentar-se, fazendo nada até o final.
    Eu prefiro na chuva caminhar, que em dias frios em casa me esconder.
    Prefiro ser feliz embora louco, que em conformidade viver Martin Luther King

    O que me assusta não são as ações e os gritos das pessoas más, mas a indiferença e o silêncio das pessoas boas. Martin Luther King
    …É GREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEVEEE!!! O MOVIMENTO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO CATARINENSE ESTÁ FIRME, FORTE E COESO!!!GALERA A VITÓRIA ESTÁ NA MÃO, VAMOS CONQUISTA-LA, ESTE (DES)governo ESTÁ CAINDO DE MADURO.o rei ESTÁ MAS PERDIDO QUE CACHORRO CAIDO DE CAMINHÃO DE MUDANÇA!!!

  4. Renato Luiz Menze disse…

    Agora é que iniciou-se de fato a luta pelos nossos direitos previamente adquiridos. Além dos recursos dos tribunais de justiça (oxalá exista, o estado não pode ser refem de bandido), há nós que demos aulas de cidadania e resiliência frente à opressão e desdém contra o professor neste estado.
    A luta não está perdida, muito menos a batalha, pois nós temos ideias, sugestões, conhecimento, formação (particular). Somos cidadãos porque não nos omitimos e sim mostramos à sociedade a corrupção existente no governo há tempos, e com a conivência de organismos que deveriam defender o povo catarinense (Alesc, TJ,MP,….)
    Esses 28 senhores(as) rasgaram até as leis internas para receberem não se sabe quanto, pois a matéria, passível de contestação, não passou pelas comissões, trâmites necessários, quer dizer, foi uma votação que não está expressa a vontade popular. Pode ser suspensa pelas autoridades de direito (se existe lei neste estado).
    Nós não nos acovardamos e tampouco negociamos nossa dignidade, respeito, altivez, brio, solidariedade, e também não iremos fazer isto. Temos uma formação, um objetivo, um norte na educação, que é tentar desvendar os olhos da comunidade e futuras gerações frente à ignorância que muitos têm, entretanto, necessitamos de humanidade da parte da sociedade, conhecimento e reconhecimento de causa para vislumbrar-mos um futuro a todos.
    Amigos de labuta de chão de sala, o que ocorreu nos fortalece mais ainda na deposição de crápulas, desonestos, improbos representantes públicos (governador, deputado, vereador, prefeito, presidente, senador, deputados federais,…).
    Agora tem que haver intervenção federal no estado, pois não foram discutidas as 03 emendas da deputada Carminatti que garantiria 100% de aplicação do FUNDEB. Temos que ficar atentos se os desvios irão continuar acontecendo.
    Continuemos com o pedido de “impeachment” do sr. Colombo por improbidade administrativa (já há muitos processos desta natureza) e outros tantos que não sou jurista para enumerá-los, exigindo NOSSO PISO SALARIAL NA CARREIRA (a votação de ontem foi engodo, falaciosa, por representantes das mentiras), resguardar nossa dignidade “PORQUE PODEM ROUBAR-ME A VIDA, MAS NÃO MINHAS IDEIAS E IDEAIS”.
    Enfim a luta continuará, porque meus alunos não são instruídos a serem desonestos, ladrões, usurpadores de sonhos…
    Contem comigo amigos que foram resilientes, que a luta continua!
    “OS PODEROSOS PODEM ESMAGAR AS ROSAS, MAS NÃO PODERÃO DETER O RESPLENDOR DA PRIMAVERA”.
    Abraços.
    14 de julho de 2011 ………………………………………AUDITORIA FEDERAL JÁ!!!<<<CADÊ A GRANA FEDERAL DO FUNDEB???…………………….É GREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEVEEE!!!

  5. …AUDITORIA FEDERAL JÁ!!!…………………………………………………………..NÃO PERMITIREMOS ESTA VERGONHA!!!—DIMINUIÇÃO DA REGÊNCIA DE CLASSE E A DESTRUIÇÃO DO NOSSO PLANO DE CARREIRA!!!……………………………….O MOVIMENTO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO CATARINENSE CONTINUAAA FIRME E FORTE, BATENDO SEM TRÉGUA NA LINHA DE CINTURA DO (DES)governo da “tripa ali” ança—pmdb, psdb e (pfl/dem/psd*)A CAMUFLAGEM descoberta do senhor joão raimundo*calombo!!!Que “JÁ SANGRA” por toda Sta.Catarina!REFLITA senhor governadô!!!…”CADÊ A GRANA FEDERAL DO FUNDEB”…………………………………..É GREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEVEEE!!!…

  6. … Moacir Pereira diz:
    10 de junho de 2011

    Caro Francisco
    Gostaria,sinceramente, que lá estivessem deputados de todos os partidos, especialmente da base governista. Primeiro, para eliminar qualquer contaminação partidária no movimento, que é do magistério, não de partidos ou ideologias, pelo que testemunhei. SEgundo, para que eles levassem os relatos fiéis ao governador e ao governo do que aconteceu na Passarela Nego Quirido. Posso estar equivocado, mas sinto desde o inicio que o movimento é autêntico, não sofre interferências externas ou tem algum objetivo eleitoral. É dos professores e pelos professores. Abraço fraterno do Moacir

  7. …PARABÉNS JORNALISTA “ILUMINADA”!…………..”Elaine Tavares”……………………………………quinta-feira, 14 de julho de 2011
    “Avante professores, de pé!

    A cena apareceu, épica. Uma mulher, já de certa idade, rosto vincado, roupas simples, acocorada num cando da Assembléia Legislativa de Santa Catarina. Chorava. As lágrimas correndo soltas pela cara vermelha e inchada. Num átimo, a câmera captou seu olhar. Era de uma tristeza profunda, infinita, um desespero, uma desesperança, um vazio. Ali, na casa do povo, a professora compreendia que o que menos vale é a vontade das gentes. Acabava de passar no legislativo estadual o projeto do governador Raimundo Colombo, que vai contra todas as propostas defendidas pelos trabalhadores ao longo de dois meses de uma greve fortíssima. Um ato de força. A deputada Angela Albino chorava junto com os professores, os demais sete deputados que votaram contra – a favor dos trabalhadores – estavam consternados e, até certo ponto envergonhados por seus colegas. Mas, esses, os demais, os 28 que votaram com o governo, não se escondiam. Sob os holofotes das câmeras davam entrevistas, caras lavadas, dizendo que haviam feito o que era certo. Puro cinismo.

    Na verdade o que aconteceu na Assembléia Legislativa foi o que sempre acontece quando a truculência do poder se faz soberana. Atropelando todos os ritos da democracia, o projeto do governador sequer passou por comissões, foi direto à plenário. Foi um massacre. Porque é assim que é o legislativo nos países capitalistas, ditos “países livres e democráticos“. Os que lá estão não representam o povo, representam interesses de pequenos grupos, muito poderosos. São eleitos com o dinheiro destes grupos. Aquela multidão que esperava ali fora – mais de três mil professores – não era nada para os 28 deputados bem vestidos que ganham mais de 20 mil por mês. Valor bem acima do que o piso que os professores tantos lutam para ter, 1.800 reais. E estes senhores tampouco estão se lixando para os professores estaduais porque certamente educam seus filhos em escolas particulares. Vitória, bradavam.

    Mas os nobres parlamentares não ficaram contentes com isso. Ao verem os professores querendo se expressar, mandaram chamar a polícia de choque. E lá vieram os homens de preto com suas máscaras de gás, escudos e armas. Carga pesada para confrontar aqueles que educam seus filhos. Triste cena de trabalhador contra trabalhador, enquanto os representantes da elite se reflestelavam no ar condicionado. Por isso o olhar de desepero da professora, lá no canto, acocorada, quase perdida de si mesma.

    Ao vê-la assim, tão fragilizada na dor, assomou de imediato em mim a lembrança da primeira professora, a mulher que mudou a minha vida. Foi ela quem me levou para a escola e abriu diante de mim o maravilhoso mundo do saber. Seu nome era Maria Helena. Naqueles dias de um longínquo 1965, ela era uma garota linda que morava do lado da nossa casa em São Borja (RS). Normalista das boas, ela não ensinava nas escolas privadas da cidade. Seu projeto de vida se constituiu ensinando nas escolas da periferia, com as crianças mais empobrecidas.

    Por morar ao lado da minha casa ela percebeu que eu, aos cinco anos de idade, já sabia ler e escrever. Então, insistiu com minha mãe para que eu fosse para a escola, porque ela acreditava firmemente que ali, naquele ambiente, era onde se formavam as cabeças pensantes, onde se descortinava o mundo. Imagino que ela fosse até meio freiriana (adepta de Paulo Freire), por conta do seu modo de ensinar. Minha mãe relutou um pouco. A escola ficava longe, no bairro do Passo, e eu era tão pequena. Mas Maria Helena insistiu e venceu a batalha.

    Assim, todas as tardes, mesmo nos mais aterradores dias do inverno gaucho eu saia de casa, de mãos dadas com a minha professora Maria Helena e íamos pegar o ônibus para o Passo. Numa cidade pequena como São Borja, só os bem pobres andavam de ônibus e assim também já fui tomando contato com o povo trabalhador que ia fazer sua lida no bairro de maior efervescência na cidade. O Passo era onde estava a beira do rio Uruguai, onde ficava a balsa para a travessia para a Argentina, os armazéns que vendiam toda a sorte de produtos, as prostitutas, os mendigos, os pescadores, os garotos sem famílias, as lavadeiras, enfim, uma multidão, entre trabalhadores e desvalidos. O Passo era um universo popular.

    Maria Helena não me ensinou só a escrever, ela me ensinou a ler o mundo, observando a realidade empobrecida do bairro, a luta cotidiana dos trabalhadores, as dificuldades do povo mais simples. E mais, mostrou que ser professora era coisa muito maior do que estar ali a traçar letrinhas. Era compromisso, dedicação, fortaleza, luta. Conhecia cada aluno pelo nome e se algum faltava ela ia até sua casa saber o que acontecia. Sabia dos seus sonhos, dos seus medos e nunca faltava um sorriso, um afago, o aperto forte de mão. Com essa mulher aprendi tanto sobre a vida, sobre as contradições de um sistema que massacra alguns para que poucos tenham riquezas. E aqueles caminhos de ônibus até o Passo me fizeram a mulher que sou.

    É esse direito que eu queria que cada criança pudesse ter: a possibilidade de passar por uma professora ou um professor que seja mais do que um “funcionário“, mas uma criatura comprometida, guerreira, capaz de ensinar muito mais do que o be-a-bá. Um criatura bem paga, respeitada, amada e fundamental.

    Mas os tempos mudaram, os professores são mal pagos, desrespeitados, vilipendiados, impedidos de conhecer seus alunos, obrigados a atuar em duas ou três escolas para manterem suas próprias famílias. Não podem comprar livros, nem ir ao cinema ou ao teatro. São peças do sistema que oprime e espreme.

    Os professores de 2011, em Santa Catarina, são acossados pela tropa de choque, porque simplesmente querem o direito de ver respeitada a lei. O governador que não a cumpre descansa no palácio, protegido. Mas aqueles homens e mulheres valentes, que decidiram lutar pelo que lhes é direito, enfrentaram os escudos da PM, o descaso, a covardia, a insensatez. E ao fazê-lo, estabelecem uma nova pedagogia (paidós = criança, agogé =condução).

    Não sei o que vai ser. Se a greve acaba ou se continua. Na verdade, não importa. O que vale é que esses professores já ensinaram um linda lição. Que um valente não se achica, não se entrega, não se acovarda. Que quando a luta é justa, vale ser travada. Que se paga o preço pelo que é direito.

    Tenho certeza que, aconteça o que acontecer, quando esses professores voltarem à sala de aula, chegarão de cabeça erguida e alma em paz. Porque fizeram o que precisava ser feito. Terão cada um deles essa firmeza, tal qual a minha primeira professora, a Maria Helena, que mesmo nos mais duros anos da ditadura militar, seguiu fazendo o que acreditava, contra todos os riscos. Oferecendo, na possibilidade do saber, um mundo grandioso para o futuro dos seus pequenos. Não é coisa fácil, mas esses, de hoje, encontrarão o caminho.

    Parabéns, professores catarinenses. Vocês são gigantes!”
    Postado por elaine tavares às 16:17 ………………………………………………….. …….É GREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEVEEE!!!…….O MOVIMENTO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO CATARINENSE CONTINUAAA FIRME E FORTE!!!…………..CADÊ A GRANA FEDERAL DO FUNDEB???…AUDITORIA FEDERAL JÁ!!!

  8. …AUDITORIA FEDERAL JÁ!!!<<<<<<<CADÊ A VERBA polpuda DO FUNDEB???……………………………………………………………………………………….#

    Rosângela………….."RÔ, RÔ, RÔ!!!"

    Olá,

    Como se sentem certas pessoas traidoras do movimento ao saberem que os educadores do estado de Santa Catarina foram usados como bodes espiatórios para os governadores dos demais estados brasileiros na luta pela aplicação do FUNDEB na educação? E os educadores que ficaram nas salas de aula e aqueles que voltaram antes da última Assembleia Estadual? Todos têm problemas pessoais e motivos, mas pior mesmo é se alguém e alguns se venderam.

    O governo estava emperrado com a nossa greve e investiu o quanto pôde, inclusive colocando 37 policiais, policiais à paisana e o BOPE na AL durante a votação contra a qualidade na educação, para que ela terminasse e pudesse anunciar os seus interesseiros investimentos no estado e sabe lá no que mais, porque o dinheiro do FUNDEB existe. O fundo da educação sempre existiu, assim como todas as verbas que diz estar nas referidas repartições públicas. Sempre foi usado para as campanhas eleitoreiras e supérfluos, não há dúvidas. No ano que vem haverá campanhas para eleger prefeitos — e disso sabem muito bem os nossos deputados estaduais que votaram contra nós e que têm os seus interesses como prioridade — e nenhuma preocupação com as crianças e os jovens que estão nas escolas estaduais. Então desviar o FUNDEB é o objetivo deles como nossos representantes eleitos por nós.

    Professores acamparam durante o frio mais intenso das últimas décadas, professor segurou placa durante toda as mobilizações pedindo “FUNDEB AUDITORIA JÁ!”, professor desempregado não aceitou ser substituto de professor que estava no movimento, aluno participou do movimento do primeiro ao último dia e tantos trabalhadores da educação na luta brigando pelos direitos.

    Todos precisam inteirar-se a tudo isso daqui pra frente e se informar para não se deixar levar por aqueles que consideram líderes. Agora precisamos mesmo de um bom endereço eletrônico para nossos alunos e seus pais, para pedirem conosco a aplicação do FUNDEB na educação imediatamente. Conscientizá-los por comunicado escrito no quadro, para cópia pelos alunos e conferência de assinatura dos pais por nós, para nos certificarmos de que realmente leram. Nesse comunicado deverá ter informação sobre o FUNDEB – dinheiro da educação para os estudantes que chega na forma de cursos de aperfeiçoamento para o professor, na melhoria do salário do professor, na garantia de um espaço escolar seguro, confortável, bem equipado e belo, garantindo a qualidade da educação.

    Sou a professora que reivindicou o uso do microfone para falar e agora expresso por escrito o meu desabafo e aproveito para fazer esta campanha pela APLICAÇÃO DO FUNDEB NA EDUCAÇÃO IMEDIATAMENTE.
    …O MOVIMENTO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO CATARINENSE CONTINUAAA FIRME, FORTE E COESO!!!<<<<<<<É ESTADO DE GREVEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE!!!…abraço fraterno

  9. …AUDITORIA CIDADÃ DA DÍVIDA JÁ!!! …”MMPC” NA LUTA …Marta Vanelli diz:

    13 de janeiro de 2012

    Informação fresquinha, diretamente de Brasilia, sobre o reajuste do Piso.

    Ministro Haddad reafirma que reajuste do Piso seguirá lei Federal

    Porém, novo valor só será anunciado em meados de fevereiro

    O ministro da Educação, Fernando Haddad, disse ao presidente da CNTE, em audiência nesta manhã do dia 12, que a correção do valor do piso salarial profissional nacional do magistério seguirá a lógica da Lei 11.738, porém, que por decisão de Governo, o reajuste só será anunciado em meados de fevereiro, a exemplo do que ocorreu em 2011.

    A CNTE tem pressionado o MEC a fazer o anúncio do reajuste do PSPN, uma vez que a Lei do Piso define o mês de janeiro como base para incidência do novo valor.

    Desde 2010, o Ministério da Educação assumiu o compromisso de anunciar valores a serem seguidos pelos entes federados como forma de unificar o percentual e o valor de referência nacional, não obstante o critério de reajuste da Lei ser autoaplicável.

    Vale lembrar, sobre a questão do valor do PSPN, que a CNTE não concorda com a fórmula de reajuste empregada pelo MEC, pois a mesma atrasa em um ano a atualização real do Piso. Contudo, a sistemática mantém relação com o custo aluno do Fundeb, conforme determina a Lei 11.738, devendo ser assegurado para o ano de 2012 um percentual de 22,22%. Outra questão que diferencia os valores defendidos pela CNTE dos anunciados pelo MEC, diz respeito à primeira incidência do reajuste, que para os trabalhadores refere-se ao ano de 2009, e para o MEC o de 2010.

    Diante das controversas sobre o valor do Piso, em 2012, o valor defendido pela CNTE é de R$ 1.937,26 contra R$ 1.450,75 que o MEC deverá anunciar em fevereiro próximo.

    Conforme temos acompanhado na mídia, a pressão de governadores e prefeitos contra o percentual de reajuste de 22,22% é grande, razão pela qual a categoria deve manter-se mobilizada para fazer valer esse direito retroativo ao mês de janeiro. A CNTE também acompanhará com atenção os trabalhos no Congresso Nacional, a fim de evitar qualquer outra manobra que atente contra a fórmula de reajuste definida na Lei 11.738.

    A luta pela plena e efetiva implantação do Piso é a pauta principal da Greve Nacional da Educação, que ocorrerá de 14 a 16 de março. Os sindicatos filiados também devem aprofundar as estratégias para pressionar os gestores a cumprirem a Lei, ainda que por vias judiciais, em toda sua dimensão. Recentemente, a Apeoesp/SP garantiu, em decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo, o cumprimento integral da jornada com no mínimo 1/3 de hora-atividade para todos os integrantes do magistério público estadual. A decisão é uma importante jurisprudência para outras ações em níveis estadual e municipal. (CNTE, 12/01/12) http://www.cnte.org.br
    …julio silveira diz:

    13 de janeiro de 2012

    É GREVE, É GREVE, É GREVE. avisem esses safados para pagarem tudo que nos devem!
    …ALVICIO KOPHAL diz:

    14 de janeiro de 2012

    Vamos ver o que o Colombo,Tebaldi e outros,fazem,num Estado em que os professores cruzam os braços no primeiro dia de aula…….Greve neles.
    …”MMPC”-Movimento do Magistério Público Catarinense NA LUTA/NA RESISTÊNCIA EM ESTADO DE GREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEVEEE!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *